“Leitos podem fechar se não houver contratação”, afirma diretor presidente do Instituto Hospital de Base

Com a notícia de que o Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região suspendeu o segundo concurso, seguido, planejado para contratação de servidores para o Instituto Hospital de Base (IHB), a direção da instituição anunciou que haverá dificuldades para a manutenção das tarefas diárias da unidade. “Há 107 leitos de enfermaria e 10 de UTI fechados. Praticamente, um hospital de médio porte. Se não houver contratação, vão fechar mais 70 leitos de enfermaria e 10 de UTI”, afirma o diretor presidente Ismael Alexandrino.

Ele vai além e lembra que a literatura médica diz que, se não houver um correto atendimento, existe a possibilidade de que  “10% dos pacientes evoluam para óbito”. E sobe o tom: “não ficará na minha conta”, completa Alexandrino. Ao todo são 774 vagas que não serão preenchidas – 708 do primeiro edital, para médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem; e 66 do segundo, que era voltado para a área administrativa.

Para o diretor- presidente, o cancelamento de ambos os concursos, a pedido do Ministério Público do Trabalho, ocorreu porque há equívocos conceituais em relação ao entendimento da Justiça e que eles vão tentar esclarecer. O primeiro deles seria em relação a publicização do certame, pois o MPT alega que não houve a divulgação correta. Israel Alexandrino garante que a divulgação foi nos moldes que pedia o edital, tanto em mídias tradicionais quanto digitais.

No segundo concurso, que teve cancelamento nesta quarta (04), ele lembra que houve 15 mil inscritos, assim “não ocorreu privilégio com poucos sabendo”. Com insegurança para os próximos passos, o diretor Ismael revelou que há um edital pronto, que iria se lançado hoje, mas que foi momentaneamente paralisado pois não há certeza da continuidade do mesmo. Ele será para 47 pessoas com deficiência, que devem trabalhar na área administrativa.

Deixe uma resposta