Há risco de desabastecimento de gasolina no Distrito Federal

Há risco de desabastecimento de gasolina nesta quarta-feira (30) no Distrito Federal. O estoque de álcool anidro está baixo nas distribuidoras da capital. Ele é elemento obrigatório para ser misturado ao combustível que abastece a frota distrital que ultrapassa um milhão de veículos. No fim do dia, devem chegar 48 carretas com cerca de 30 mil litros, que produzirá quase 8 milhões de litros de gasolina tipo C, vendida nos postos de combustíveis. A normalização deve ocorrer amanhã.

Em comboio, os caminhões saíram do DF por volta das 10h30 com destino a Goianésia (GO), onde devem ser enchidos com álcool anidro. Os veículos devem percorrer 135 quilômetros até o município em uma viagem de três horas e voltar, depois de abastecidos. A previsão é que o produto chegue à capital apenas no fim do dia.

A expectativa é que o aumento dessa oferta do etanol tenha impacto nos valores comercializados. Há três dias, o preço praticado é mais caro, com a justificativa de que as distribuidoras tiveram que reduzir de 27% para 21% a composição de álcool misturado à gasolina.

De acordo com o Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados do DF ( Sinpospetro-DF), menos de 10% dos postos têm gasolina e etanol. Desde cedo, cerca de 60 caminhões-tanque deixaram a área das distribuidoras no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), segundo a Polícia Militar.

No entanto, a maioria saiu com carregamentos de diesel ou completamente vazios com destino às garagens. Gasolina mesmo pouco circulou para abastecer os postos que desde a madrugada mantém longas filas de motoristas com expectativa de encher o tanque. Durante a manhã, a saída e chegada dos veículos não teve escolta da PMDF, como ocorreu durante toda a semana.

“Já estamos sem estoque e temos que aguardar a chegada dos caminhões. Hoje, quando acabar a gasolina dos postos, acabará o abastecimento. Amanhã, no feriado, o trabalho será mantido e normalizado”, disse ao Jornal de Brasília a presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis (Sindicombustível), Elisa Schmitt. Ela confirmou que nada tem saído das bases de distribuição. “É uma situação triste”, define.

SEM MISTURA

Na sexta-feira passada, apenas uma das cinco empresas distribuidoras de combustíveis que atuam em Brasília informou que tinha em estoque 1,3 milhão de litros do etanol que precisa ser misturado à gasolina. O transporte desse elemento é feito apenas por via terrestre, mas os veículos têm ficado presos nos bloqueios nas rodovias do País realizados pela greve dos caminhoneiros.

Ontem, duas das distribuidoras contavam com 130 mil litros em seus reservatórios, quantia que garantiria produção de 700 mil litros de gasolina tipo C já contendo a substância e prontos para consumo. De acordo com o Governo de Brasília, a escolta de caminhões com álcool anidro tem sido garantida desde o início da greve. A estimativa é que dois milhões de litros tenham chegado à capital.

SAIBA MAIS

Pela primeira vez desde o início da semana, não há qualquer manifestação no acesso ao setor de inflamáveis, no SIA, onde se concentram as distribuidoras que abastecem os postos de combustíveis da capital.

Deixe uma resposta